Está prevista para terminar nesta quinta (30) a fase de perguntas e respostas no julgamento do impeachment do presidente americano Donald Trump no Senado.

Há dois dias, senadores questionam os advogados que defendem o presidente americano e os deputados que, depois de fazer o impeachment de Donald Trump na Câmara, querem que ele seja removido da Casa Branca. Mas a principal batalha ficou para esta sexta (31).

Os opositores do presidente querem intimar o ex-assessor de Segurança Sacional John Bolton a depor.

Em um livro que está para publicar, Bolton diz que, numa conversa, Trump confirmou a ele que congelou uma ajuda de quase US$ 400 milhões à Ucrânia com o objetivo de pressionar o país a investigar o adversário político Joe Biden. É exatamente o que levou Trump a ser acusado de abuso de poder.

Nesta quarta (29), um dos advogados de Trump afirmou que a versão de Bolton pode até ser verdadeira, mas que isso não importa. Segundo Alan Dershowitz, qualquer ação de um presidente que busca aumentar as chances de reeleição seria de interesse público já que, na visão do advogado, o presidente busca o melhor para o país.

A oposição disse que esse argumento é constitucionalmente absurdo e mostra como a Casa Branca tem medo do que testemunhas como John Bolton podem revelar. Mas os senadores do partido de Trump, que são maioria, devem votar para encerrar o julgamento sem ouvir depoimentos.